Biodigestores

slide_0slide_1slide_2slide_3slide_4slide_5

     Biodigestores são equipamentos hermeticamente fechados — totalmente vedado, impedindo completamente a saída de ar — e servem para tratar resíduos orgânicos. São capazes de reduzir até 70% a matéria orgânica e por isso são acoplados a biofiltros que aumentam sua capacidade na remoção de carga orgânica, podendo chegar a 90% de eficiência. Os nutrientes do esgoto são reciclados por algos, de cultivo e de gado, por processos como fotossíntese, mineração e absorção. A água é tratado por um processo de combinação natural de elementos como solo e filtração por raízes, sedimentação e reações bioquímicas.

     São três fases de fermentação: acidogênica, acetogênica e metanogênica. Esta última é a responsável pela produção do biogás, mistura de metano e carbono que pode ser usada como fonte de calor, combustível, energia. A água resultante desses processos de fermentação é de alto valor nutricional para as plantas e o líquido gerado no efluente pode ser utilizado para fertirrigação e cultivo em geral. Os produtos podem ser gerados de forma segura e lucrativa, com investimento de baixo custo.

     Os sistemas mais conhecidos são os modelos chinês de cúpula fixa, construídos em alvenaria de tijolos maciços com especial enfase na impermeabilização. Os modelos indianos foram bastante utilizados para obtenção de adubo orgânico, porém sua campana móvel e de ferro dificulta sua instalação em áreas de difícil acesso ou que não tenha energia elétrica, além de necessitarem revestimentos periódicos das partes metálicas. Os modelos de lona também conhecidos como planta balão, são de fácil replicação, porém requerem cuidados especiais com proteção para não serem rompidos por agentes externos.

     infografico zona de raizes 01infografico biodigestor 01Podem ser usados desde numa residência, comunidade, rua ou até para uma cidade inteira. As propriedades agrícolas podem usufruir de energia gratuita a partir da instalação de biodigestores. A literatura informa que seus processos fermentativos são capazes de minimizar os enteropatógenos clássicos, reduzir em 99% os ovos de esquistossomos, tornando-os muito úteis no controle de agentes patogênicos, tudo isto aliado a processos de Educação Ambiental e Educação Sanitária. Onde não se constrói tanques, um filtro biológico é instalado após a caixa de compensação do biodigestor, seguido por zona de raízes que filtram e por evapotranspiração consomem a maior parte do efluente.

Pontualmente, a tecnologia consiste em:

  • Totalmente estanque;
  • Limpeza do digestor a cada 5 anos em média: o material pode ser utilizado como adubo após secagem ao sol por 30 dias.
  • Custo: Embora com custo inicial maior, não necessita de manutenção e gera nutrientes e bio-gás.
  • Pode ser integrado ao paisagismo se complementado com lagos de plantas aquáticas e peixes.
  • Seu efluente pode ser utilizado na fértil irrigação por infiltração nas raízes das plantas.
  • Tem aprovação dos órgãos ambientais.